Tempo de Mudanças?!

No tempo que levo como consultor aconteceu-me hoje uma coisa curiosa! Um cliente que estava interessado num apartamento e a primeira pergunta que me fez foi se eu tinha o apartamento em exclusivo. Se a pergunta foi pertinente a observação que fez a seguir foi ainda mais! "Se não está em exclusivo nem vale a pena sequer falarmos sobre ele", respondeu-me!!!

Não poderia deixar de o questionar acerca daquela abordagem e o senhor explicou-me que alguns meses atrás estava muito interessado noutro apartamento e fez inclusive uma proposta. Qual não foi o seu espanto quando o consultor apresentou a proposta ao proprietário o mesmo disse já o ter vendido.

Isto vai um bocadinho de encontro aquele papão do exclusivo ou não exclusivo que tanto amedronta os proprietários. Mas parece que as mentes começam a ficar despertas para este fenómeno e daqui por uns anos à semelhança dos países mais desenvolvidos, o não exclusivo vai deixar naturalmente de existir.

É um facto que o regime de exclusividade não é para todos, a pior coisa que pode acontecer a um proprietário é entregar o seu imóvel em exclusivo a um consultor menos profissional. Agora se quer o seu imóvel devidamente promovido e se quer ter o direito efetivo e real de poder cobrar sobre o que está a ser feito pelo mesmo, não tenha duvidas, o exclusivo não é a melhor forma. É a FORMA!!! Porquê?

Porque vai responsabilizar o comercial sobre o contrato, porque a qualquer momento agarra no telefone e não tem que ligar a 30 comerciais para saber o que está a ser feito, porque não vai ter que se preocupar com coisa nenhuma a não ser analisar eventuais propostas, etc

E sabe que o cliente comprador se sentirá muito mais seguro sabendo que aquele consultor está a par de tudo o que está a acontecer ao imóvel, terá muito mais garantias em termos documentais, etc

Portanto fica aqui a dica, na hora de assinar contrato com um profissional, pense neste assunto. Só para terminar um contrato em exclusivo tem muito mais alcance que cinquenta em aberto, não tenha duvidas disso.